Pratos Infantis Decorados Para Estimular Apetite

Os pediatras costumam liberar alimentos pastosos e sólidos para os bebês a partir de 6 meses de idade, na maioria dos casos. O que significa que a criança entra em uma nova fase do desenvolvimento, que consiste também em criar novos hábitos e se tornar mais independente.

Para uma boa parte das famílias, não podemos calcular quantas, essa transição na alimentação é bem aceita e tranquila, para outras, ao contrário, passa a representar um grande desafio.

Segundo os pediatras é natural que no primeiro ano, a grande maioria dos bebês aceitem qualquer tipo de alimento. Ele estará experimentando os novos sabores e as novidades. Passado o primeiro ano até os 3, ele começará a diminuir o apetite, o que poderá causar alguns novos hábitos.

Além disso, neste período do crescimento da criança é normal que ela diminua o apetite também por causa das gripes e resfriados, que são normais, neste período.

Por isso, será necessário estimular o apetite da criança em um determinado período.

Deixando a Criança Comer Sozinha

É bem comum que a criança, mesmo ainda sem a capacidade de levar a colher até a boca, queira comer sozinha nos primeiros anos. Segundo os pediatras, os pais devem incentivar essa independência, mesmo que isso signifique uma grande sujeira na hora das refeições.

É preciso ter paciência, mesmo quando a criança coloca a mão dentro do prato, obviamente, explicando que não é dessa maneira que se faz. Ela precisa a aprender como controlar o movimento da mão com a colher até a boca. Conseguir se alimentar sozinha é uma grande conquista para uma criança e por si só é um estímulo para que ela tenha vontade de se alimentar.

Outra dica, neste caso, do que não fazer é o “você deve engolir tudo”. As ameaças e castigos não são adequados para ajudar as crianças nesse fase da vida. Alguns bebês chegam a vomitar. Aliás, nem promessas devem ser usadas como forma de convencer uma criança a ter mais apetite. Ela pode associar as refeições a ansiedade dos pais de vê-la comendo e isso se torna estressante e não prazeroso, como deveria ser.

O mesmo serve para os elogios em excesso porque a criança comeu tudo. Para ela pode ser um indicador de que só está tudo bem, caso ela “limpe o prato” todas as vezes.

Dicas Para Estimular o Apetite das Crianças

1- Pratos infantis decorados pode ser uma boa opção para estimular o apetite das crianças. O visual é de extrema importância. Nada de colocar aquele prato estranho com tudo misturado. A criança precisa ter o contato com as cores e novas texturas para sentir-se atraída e começar a apreciar o que come.

2- Não é aconselhável soprar demais a comida antes de levar a boca da criança, que estará fria e sem graça, sem falar nas bactérias que esse gesto pode gerar.

3- Uma vez que a criança entrou na fase da alimentação, não dê mamadeira no lugar da comida.

4- Envolva a criança no preparo da comida, mostre para ela o prato sendo montado, procure deixá-lo sempre atrativo, decore, use as cores dos alimentos.

5- As crianças maiores podem participar também das compras do supermercado com os pais ou da feira.

6- As crianças não devem comer fora de hora, pois podem criar esse hábito e depois rejeitarão a comida.

7- O ideal é seguir o relógio biológico do seu filho e não quer impor o seu. Até um ano, por exemplo, o almoço deve ser servido entre 11:00 e 11:30, enquanto a janta deve ser às 18h. Porém, não deixe de alimentar a criança, caso ela tenha fome mais cedo.

8- No lugar da chantagem, prepare para o seu filho uma comida bonita, que o atraia primeiramente pelos olhos. Misture cores e texturas. Se for acaso, até monte carinhas e personagens com os alimentos.

9- Aviãozinho só serve para deixar a criança mimada.

10- Coma coisas saudáveis na frente do seu filho. Se você diz que espinafre é bom, mas devora um prato de batatas fritas, não será confiável. Não pense que a criança não percebe e entende as diferenças.

Dicas Para Alimentação Por Idade: Primeiros Anos

1- 0 a 3 anos: é o período que costuma ser o mais tranquilo para os pais, pois a criança aceita tudo e não rejeita nada. Porém, faça o cardápio levando em conta o que diz o pediatra. Não comece a dar para o seu filho tudo o que achar que ele pode comer, pelo contrário, siga a risca o que diz o médico do seu bebê.

2- 3 a 6 anos: para começar, lembre-se de que a merenda escolar precisa ser tão saudável como aquilo que ele come em casa. Nada de começar a deixar que ele coma biscoitos e salgadinhos e mais refrigerante. Ele vai acostumar e será difícil tirar esse hábito mais para frente. Então, arrume uma merendeira com alimentos saudáveis e varie para que ele não enjoe.

3- 6 a 9 anos: tente fazer com o seu filho goste de sucos de frutas e limite o refrigerante, que eles adoram nessa fase, para o fim de semana. Eles vão querer comer muitas guloseimas e chocolates nesssa época, pois gastam mais energia. Por isso, controle a entrada desse tipo de alimento na sua casa. Se você encher o armário, ele vai comer tudo e ainda vai querer mais.

É importante que os pais ouçam o que o pediatra tem a dizer sobre peso e altura. Uma criança gorda não quer dizer que tem saúde e se estiver magra, também não é porque está doente. Existem questões genéticas e o mais importante é que ele se alimente corretamente e comendo coisas saudáveis.

Faça da hora de comer do seu filho e da sua família um momento educativo e social para ela e isso ajudará no seu desenvolvimento. Não pode ser um momento de discussões, brigas ou nenhum tipo de tensão. Nada de televisão e toda família reunida à mesa é o modo correto de se fazer as refeições.

A criança terá que aprender sozinha a ter essa relação com a comida e vai aprender somente recebendo a orientação dos pais e não sendo forçada a comer nada.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Comida

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *